Opinião. Começou hoje o Fórum Social Mundial 2009, em Belém. Eu, em minha ignorância ainda adolescente, nunca tinha ouvido falar sobre esse evento, até entrar no Greenpeace. Confissão vergonhosa, mas necessária. Necessária porque mostra que, apesar dos grupos envolvidos, das entidades organizadas, da juventude engajada, o Fórum ainda tem muito pra conquistar: não chegou, em 2005, aos ouvidos de uma menina de 17 anos, de classe média, que vive em uma megalópole brasileira. Não jogo pedras no movimento, longe de mim. Acho único, construtor de novas alianças, pilares, conhecimentos e relações. Minha crítica aqui é à grande mídia, que, de forma geral, cobre as atividades do Fórum com pautas pouco aprofundadas e de comportamento – fulano que viajou quilômetros pra ir até lá, a menina que vai dormir em rede pela primeira vez, e por aí vai. Falta fundamentar essas atitudes com conceito, com o porque cem mil pessoas se aglomeram em uma cidade relativamente pequena para participar desse evento. Falta dar mais voz e vez a quem está lá.

Mas a culpa não é inteiramente da grande mídia. Participei de reuniões do grupo de comunicação do FSM meses antes do evento e confesso que a própria organização não se mostra muito flexível à mídia nacional. Novamente aqui os meus esclarecimentos: são mais do que louváveis as iniciativas de comunicação comunitária e participativa, de disseminação de informações por pequenas rádios no acampamento da juventude e tudo mais. Mas penso que um esforço com a grande mídia pudesse agregar informação aos trabalhadores escravos no cultivo de cana-de-açúcar, que não podem ir à Belém, mas são parte de um mundo que precisa de mudanças.

Talvez isso seja fruto apenas de uma mente acostumada a pensar em Record, Globo e outras tantas. Mas, vejam bem – eles também são comunicação.

 

Considerações. Eu não fui nesse Fórum, mas certamente deve haver um motivo – outros fóruns me aguardem. Pra compensar, limpei a salinha de arquivos de foto e vídeo e achei até uma mesa de luz (!). Achei também um negativo com imagens do Lula em um protesto no ABC. Histórico.

Advertisements