You are currently browsing the tag archive for the ‘Michael Jackson’ tag.

Thriller. Esse blog também é pop, porque eu (reconheço) cresci embalada pelo pop. E hoje, não foi um dia feliz para esse império: a morte de Michael Jackson foi um divisor de águas da música no século XX. Foi também o expoente mais elevado da valorização da imagem e da usurpação que isso pode trazer. Deglutido pela mídia desde a infância, Michael foi e ainda será explorado até a sua última gota. Virou uma imagem, uma marca, uma batida, moonwalk.
Beat it. Não retiro aqui as possíveis faltas cometidas pelo cara e nem é minha intenção exalta-lo (já estão fazendo isso por mim em algum lugar). Mas fica em mim a vontade de dizer que sim, cantei suas músicas com sentimento. Sim, eu dancei e muito, tentando em vão reproduzir seus passinhos. Vai ser legal contar para os meus filhos que tinha um cara que dançava estranho, era negro e virou branco e quando suas músicas tocavam no rádio, todo mundo cantarolava. No mundo todo.
Vai em paz, moço.
Curtam Ben, minha favorita (tá, eu não tinha nascido ainda quando foi lançada, mas e daí?).

Thriller. Esse blog também é pop, porque eu (reconheço) cresci embalada pelo pop. E hoje, não foi um dia feliz para esse império: Michael Jackson foi um divisor de águas da música no século XX. Foi também o expoente mais elevado da valorização da imagem e da usurpação que isso pode trazer. Deglutido pela mídia desde a infância, Michael foi e ainda será explorado até a última gota. Virou uma imagem, uma marca, uma batida, moonwalk.

Beat it. Não retiro aqui as possíveis faltas cometidas pelo cara e nem é minha intenção exalta-lo (já estão fazendo isso por mim em algum lugar). Mas fica em mim a vontade de dizer que sim, cantei suas músicas com sentimento. Sim, eu dancei e muito, tentando em vão reproduzir seus passinhos. Vai ser legal contar para os meus filhos que tinha um cara que dançava estranho, era negro e virou branco e quando suas músicas tocavam no rádio todo mundo cantarolava. No mundo todo.

Vai em paz, moço.

Curtam Ben, minha favorita (tá, eu não tinha nascido ainda quando foi lançada, mas e daí?).